Buscar
  • Revista EiS

"A Viradouro subiu e vai alçar voos maiores no grupo Especial." Disse o presidente da esco


Carnavalesco Paulo Barros ao lado do presidente Marcelo Calil

O presidente da Viradouro conversou conosco sobre a volta da escola para o grupo Especial, chegada de Paulo Barros, expectativas para 2019, falou sobre Mestre Laíla e muito mais. Acompanhe conosco esse bate-papo super interessante:

EiS - Presidente, qual foi o grande diferencial da Viradouro para conquistar o título no acesso nesse ano?

MC - Olha, eu não sei o diferencial em relação as outras escolas, o que a gente fez aqui foi uma gestão completamente profissional. Buscamos desenvolver nossos quesitos da melhor maneira possível, investir na preparação e investir nas pessoas, temos profissionais do mais alto gabarito. Tivemos a vinda do Edson, Julinho, Márcio, enfim, profissionais que sempre se destacaram e ofereceram uma estrutura enorme. Demos total condição para esses profissionais desenvolverem a parte técnica e consequentemente melhorar os quesitos. Temos uma comunidade que voltou à abraçar a escola, a Viradouro é uma gigante do carnaval e por questões antigas essa comunidade estava adormecida. Quando se tem um pavilhão como o nosso e uma comunidade que volta a vibrar e torcer junto, abraçando as ideias, somando à parte administrativa que trabalha como uma empresa, de forma profissional, faz com que toda essa junção tenha nos permitido o acesso ao grupo Especial.

EiS - A Viradouro vai para o desfile de 2019 com o intuito de apenas permanecer no grupo ou de brigar pelo título?

MC - Eu acho que brigar para permanecer, por natureza já é um erro. Ninguém pode subir pensando em apenas permanecer. A escola investiu ainda mais em profissionais competentes, caso do Paulo Barros, a volta de mestre Ciça, Neoral, entre outros, o que faz com que a escola venha com uma força muito grande, vem para fazer barulho, vem para brigar em cima. Para mim a questão principal não é ficar em primeiro, segundo, terceiro ou sexto e sim colocar um projeto onde toda a nossa idealização possa ser executada da melhor maneira possível. A gente monta um projeto buscando algo grande e criando o hábito de competir, disputar e vencer, sem engessar a escola. Estamos trazendo pessoas que estão acostumadas a ganhar, acostumadas com escolas grandes e a nossa escola de fato não sobe apenas para ficar, sobe para alçar voos maiores, como a escola já fez e queremos resgatar essa identidade da Viradouro e essa força de escola de grupo Especial da Viradouro, sim, mas é claro que sabemos que a briga em cima é muito grande, então trabalharemos dobrado para conquistarmos o nosso objetivo.

EiS - A Viradouro já teve algum tipo de contato com Mestre Laíla, que acabou de deixar a Beija-Flor?

MC - A princípio não houve nenhum tipo de conversa, estamos satisfeitos com a nossa direção de carnaval, né... então sobre esse assunto é isso que posso dizer no momento, não tenho nenhuma outra informação diferente para dar, não houve nenhum tipo de contato e estamos satisfeitos.


566 visualizações