Buscar
  • Revista EiS

Guerreiros de Jacarepaguá vai debutar na Intendente Magalhães no carnaval de 2019. "Queremos fa


Presidente do Guerreiros de Jacarepaguá, Alexandre Valle

A Revista Explosão In Samba conversou com o presidente do Guerreiros de Jacarepaguá, Alexandre Valle, que falou sobre como surgiu a ideia de fundar a agremiação, expectativas para o seu primeiro desfile pelo grupo E e muito mais, vale a pena vocês conferirem:

EiS - Como surgiu a ideia de criar a escola de samba, Guerreiros de Jacarepaguá? AV - Fui procurado, em abril do ano passado, por meu amigo Gabriel Macedo que me falou que sempre acalentou o sonho de criar uma Escola de Samba e que pretendia, inicialmente, dar-lhe o nome de “Acadêmicos da Taquara”, com um pavilhão nas cores amarela e branca (às quais, no projeto do Guerreiros, acrescentei o “verde” que simboliza a imensa área verde que permeia nosso bairro). Sugeri a ele que não restringíssemos nossa área de atuação somente ao sub-bairro da Taquara e propus que ampliássemos nossa abrangência para todo o bairro de Jacarepaguá e que, ao invés das manjadas nomenclaturas “Acadêmicos”, “Unidos”, “Mocidade”, “União”, e outras, partíssemos para uma sacada mais inovadora, ousada, diferente e que mexesse com os brios dos moradores da área, momento em que me veio a ideia do nome “GUERREIROS DE JACAREPAGUÁ”. Após alguns segundos de reflexão, Gabriel disse “Fecho com a sua ideia!”. Sendo assim, pedi a um amigo, o conhecido cartunista Ferreth (que já foi, inclusive, da equipe do Ziraldo) que fizesse algumas alterações no mascote da “BANDA DA FREGUESIA” (criado por ele) , um jacaré magrinho, apelidado de JAC, com jeito malandreado, e que o transformasse num mega-jacaré bombado, sarado, com um escudo e em posição de combate e ainda colocasse aquela fitinha característica do Silvester Stallone, nessa nova criação. Arte final encomendada e entregue, vi o brilho nos olhos do Gabriel que disse: “Comprei! Curti também”. Naquele momento, ficou decidido, ainda, que ele seria o Presidente do Conselho e eu, o Presidente Administrativo. Como primeira medida, convidei meu amigo/irmão Jota Lourenço (Fundador e ex-Presidente do GRES Feitiço do Rio e, atual Diretor de Carnaval do GRES União do Parque Curicica e do GRES Mocidade Unida do Santa Marta) para nos emprestar seu talento e conhecimento e ser nosso Vice-Presidente de Carnaval, o que foi prontamente aceito. A partir daí formamos uma espécie de triunvirato, os sócios do Guerreiros de Jacarepaguá, hoje, com a luxuosa companhia de nosso mais novo e ilustre sócio – e Patrono – Marcelo Gonçalves, Diretor Jurídico da LIESB (Liga das Escolas de Samba do Brasil, entidade que comanda os desfiles dos Grupos B, C, D e E) e Presidente de Honra da Unidos da Ponte, o que foi a cereja do bolo, devido à sua experiência e conhecimento no mundo do Carnaval, notadamente, nos desfiles do chamado Carnaval do Povão. Mas, voltando à criação do Guerreiros, nossa intenção era – e é – preencher uma lacuna existente no bairro de Jacarepaguá, mais precisamente no eixo Freguesia/Pechincha/Taquara, principalmente se considerarmos que, hoje, a Curicica é um bairro à parte, a Unidos do Anil não desfila mais, a União de Jacarepaguá tem sua Quadra localizada no bairro do Campinho, a Renascer de Jacarepaguá fica no Largo do Tanque e as agremiações da Cidade de Deus - Mocidade Unida da Cidade de Deus e Coroados de Jacarepaguá - também não são desses sub-bairros. Notamos que, os sambistas da região da Freguesia, do Pechincha, da Taquara e até os da Praça Seca, estão órfãos, carentes mesmo, eu diria, de uma agremiação “pra chamar de sua”. Um local que possa se tornar o quintal de sua casa, onde eles possam encontrar-se, sambar, fazer samba, promover concursos, feijoadas, enfim, são essas pessoas que o GRES Guerreiros de Jacarepaguá quer abraçar e conquistar.

Da esquerda para direita: Marcelo Gonçalves (Patrono), Jota Lourenço (Vice de Carnaval), Gabriel Macedo (Presidente do conselho) e Alexandre Valle (Presidente administrativo), reunidos em um shopping da região de origem da Escola de samba Guerreiros de Jacarepaguá.

EiS - Para 2019, a escola já tem enredo? AV - Sim. O enredo já foi definido,mas por questões estratégicas, ainda não foi divulgado. Assim que tudo estiver ajustado, anunciaremos.

EiS - Você é compositor de vários sambas campeões e premiados, tendo, inclusive, nesse Carnaval, assinado 5 sambas de agremiações que desfilaram na Intendente Magalhães. Haverá disputa de samba na Guerreiros ou você mesmo vai compor o samba, com seus parceiros? AV - Somos favoráveis a disputa, sempre. Não misturo as estações. Aqui sou apenas Presidente. Outra coisa: Apesar de termos observado que a disputa de samba-enredo, por vários fatores que não vamos nos alongar aqui, está sendo vista por muita gente, como algo que pode terminar em alguns anos, pretendemos, ao contrário, estimular os compositores a comporem e a apresentarem seus sambas em nossa Escola com um julgamento sério, justo e feito por pessoas qualificadas. Jacarepaguá é uma terra rica em Poetas do samba. Evitarei, inclusive, citar nomes pra não cometer injustiças, mas, castrar a competição é uma violência à história do samba e ao talento de nossos compositores. A disputa será aberta a todos e nossa Ala de Compositores, que hoje tem como Presidente ninguém menos que meu amigo Rodney de Figueiredo, também vencedor de vários sambas já apresentados na Passarela Popular da Intendente Magalhães, dono de site de Carnaval e pessoa muito bem relacionada no mundo do Carnaval, que, diga-se, já está louco para começar os trabalhos e para divulgar a agenda do concurso para todos os autores de samba-enredo que puder alcançar.

Parte da diretoria dos Guerreiros de Jacarepaguá

EiS - Sem subvenção no grupo E, qual o segredo para colocar a escola na avenida, com despesas para fazer fantasias, alegorias e pagar segmentos? AV - O segredo é a combinação de criatividade, captação de recursos na iniciativa privada e a colaboração de amigos. Entendemos que as Escolas de Samba tem que ser autossustentáveis. Acabou-se o tempo do amadorismo. Não podemos viver eternamente com o pires na mão, à espera – e na dependência - do poder público. A Lei Rouanet está aí para estimular a cultura em todas as suas manifestações e temos, em nossos quadros, pessoas que já começaram a elaborar o Projeto a ser submetido aos órgãos competentes para que possamos angariar os recursos necessários para colocar o nosso carnaval na rua. Além disso, já estamos recebendo importantíssimas doações de material, de fantasias para serem adaptadas, de esculturas e, até mesmo de carro alegórico para que tudo possa se materializar em 2019. Por fim, não podemos deixar de agradecer a colaboração dos responsáveis pelos nossos segmentos que vem trabalhando de forma gratuita, verdadeiros abnegados, além dos novos colaboradores que se agregaram recentemente, todos como voluntários, sem ônus, como o próprio Rodney de Figueiredo (já citado acima) e os moradores de Jacarepaguá Chico Frota (Praça Seca), radialista de samba, produtor musical e assessor de imprensa de diversas Escolas que ingressa como Diretor Musical da agremiação e o Carnavalesco da Beija-Flor, o festejado Cid Carvalho (Freguesia) que aceitou o convite para ser nosso Diretor e Consultor Artistico. EiS - Deixe um recado final para os amigos de Jacarepaguá ou mesmo de outros bairros, que desejam participar da família Guerreiros de Jacarepaguá. AV - Amigos, já iniciamos o nosso trabalho para o Carnaval/2019. Nesse momento, estamos em negociações com algumas autoridades e com o Poder Público para conseguirmos uma Cessão de uso de algum terreno público por 10, 20 anos, nos mesmos moldes que algumas coirmãs já possuem. Quem, inclusive, está à frente dessas investidas é o nosso Patrono e Sócio Marcelo Gonçalves, que, além de advogado e sindicalista é também uma pessoa muito bem relacionada no meio político. Temos projetos para eventos durante a Copa do Mundo (a venda de nossas camisas já é um sucesso garantido, até mesmo pelas nossas cores verde-amarelo- e-branco), bem como já projetamos outras atividades ligadas ao samba e à iniciativas de cunho social e cultural. Estamos abertos à sugestões e focados em agregar cada vez mais colaboradores – do bairro ou de fora dele, sem restrições - que queiram nos ajudar em nosso projeto, inclusive já temos recebido algumas manifestações de apoio de comerciantes locais. Nossa Diretoria prima pela seriedade, união e foco, sem qualquer traço de vaidade ou de políticas amadoras. Queremos fazer diferente, gerir de forma diferenciada, num modelo de Escola-Empresa para que possamos, em breve, almejar voos cada vez mais altos, para que nossa agremiação se torne motivo de orgulho para os moradores e trabalhadores de Jacarepaguá. Somos todos Guerreiros! Avante, Guerreiros de Jacarepaguá!


0 visualização