© 2016 Revista Explosão in Samba | Criado por Faccilite

Cid Carvalho sem papas na língua

11.08.2016

                                                      Foto: Arquivo pessoal

 

Um dos maiores carnavalescos da atualidade, com vários campeonatos conquistados pelo grupo especial,Cid Carvalho bate um papo super à vontade com a nossa revista e fala sobre trabalhar na Intendente Magalhães, novos carnavalescos, Beija-Flor e muito mais. Essa entrevista está imperdível, confiram.

 

EiS - Você é um carnavalesco renomado e vencedor no grupo especial; como é fazer carnaval na Intendente Magalhães?

 

Cid - Faço carnaval para o povo e para pagar as minhas contas; aonde o povo estiver e quiserem pagar o meu valor, lá estarei. Não me importo com letras, números ou denominações, o que me importa é trabalhar honestamente e respeitando ao público.

 

EiS - Voltar à trabalhar na Beija-Flor faz parte dos seus planos, é a sua escola de coração?

 

Cid - Profissionalmente, eu devo tudo a Beija-Flor; voltar à fazer parte da família Nilopolitana é uma possibilidade que só o tempo responderá.

 

EiS - Para muita gente os desfiles das escolas de samba estão se tornando uma coisa mecânica e de certa forma até chata. Você concorda com isso e o que você procura fazer para que as suas escolas façam desfiles alegres e descontraídos?

 

Cid - Não é culpa das escolas, é culpa de um regulamento que tem engessado os desfiles. Quando os pequenos erros são mais badalados que os grandes acertos, temos como resultado essa fórmula fria de se fazer carnaval . Não se pode fazer muita coisa para se evitar isso, ou você segue o escrito ou chuta o pau da barraca e seja o que Deus quiser.

 

EiS - Em relação a nova safra de carnavalescos que estão surgindo, você citaria algum diferenciado, com grande futuro na carreira?

 

Cid - Vejo uma renovação muito interessante no carnaval no que se refere à carnavalesco. O futuro da festa está garantido, pelo menos no que depender de carnavalesco.

 

EiS - O que mais te da alegria no carnaval e o que ele tem de pior, na sua visão?

 

Cid - Um trabalho sonhado durante um ano, desfilar na Sapucaí é um momento mágico e de felicidade inesquecível. O grande pesadelo que ronda esse sonho tão bonito é um calote financeiro; trabalhar e não receber ou receber apenas uma parte do contrato é revoltante tal desrespeito. Me incomoda profundamente.

 

EiS - Aonde é mais difícil ser campeão, no grupo especial ou na Intendente Magalhães; e porque?

 

Cid - Eu já participei de quatro carnavais consagrados com campeonatos, no grupo especial. Para 2017, estarei trabalhando no acesso e na Intendente com afinco para ajudar a Cubango e o Leão de Nova Iguaçu à fazerem grandes carnavais. Quanto à títulos, acontece quando uma série de fatores se somam, pois não basta apenas fazer o melhor carnaval. Porque fazer carnaval, além de exercitar o lado artístico é necessário trabalhar a política.

 

EiS - Uma última mensagem para nossos leitores?

 

Cid - Apenas ressaltar a minha gratidão ao carnaval por tudo que sou e o que conquistei e o meu carinho por todas as comunidades onde tive o prazer de trabalhar.

 

 

Please reload